sábado, 4 de fevereiro de 2017

Capítulo 44

Eles olharam-se mutuamente durante um longo e interminável tempo, interminável para ser suspenso, subtraindo sem dificuldades toda a respiração e agitação que os rodeava. E nesse olhar que afirma, responde e implora para ser entendido, entregaram desejos interiores que não tendo voz, atravessaram o silêncio e o beijaram.
Mas o livro ficou pesado, algum pó estava-se a acumular, juntamente com folhas mais antigas que estavam dobradas nos capítulos mais importantes.
Afinal, em todos esses olhares, ninguém se percebeu no tempo, quer tenha sido orgulhosamente duro e longo ou afavelmente veloz.
No fundo, tudo são apenas perspectivas de te perceberes melhor, conheceres-te.
A sorte são os outros devolverem-te isso, se com astúcia e humildade mental te propuseres a conhecer.
E quando assim for, quando o crescimento e procura for pacífica e com paciência, nasce amor em ti e de ti para os outros, onde quer que estejas.

Sem comentários:

Enviar um comentário