terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Divina comédia

Dante tinha em sua posse uma vastidão de sabedoria interna e conhecimento espiritual , tendo brindado o mundo com o Inferno, Purgatório e Paraíso, naquilo que seria a sua obra mundial A Divina Comédia. Ocorre-me dizer três coisinhas.
Aquilo que se passa cá por baixo, é já em si uma síntese dos três famigerados locais que descreve.
Apenas escolhemos é viver em cada um deles, experienciando-o no mais profundo do que sentimos e damos.
Alimentando discórdias, egos, poder, tristeza ruminante. (Inferno)
Alimentando culpa, dúvidas, acesso constante ao passado, auto-análise punitiva. (Purgatório)
Ou alimentando paz, alegria, bons sentimentos, protecção interior através de se saber estar com quem se é, na sua franqueza e leveza. (Paraíso)

Coloco alguns bombons:

"Quando os seus pés deixaram a pressa, que tolhe a nobreza a todo o acto"

"O mundo é cego e tu vens exactamente dele"

"A fama que se adquire no mundo não passa de um sopro de vento que, ora vem de uma parte ora de outra e assume um nome diferente segundo a direcção de onde sopra"

"Louco é quem espera que a nossa razão possa percorrer a infinita via que tem uma substância em três pessoas"

"Quem és tu que queres julgar, com vista que só alcança um palmo, coisas que estão a mil milhas?"

Sem comentários:

Enviar um comentário