sexta-feira, 9 de setembro de 2016

A todos os enólogos desta vida

Setembro é intrinsecamente o mês das vindimas. Dos cachos ricos em sabor, perfeitamente contextualizados na acidez, cor e peso. É o resultado final de um ano produtivo e planeado. Num ano que se inicia com a poda, seja ela de perdas, tristezas e dores, anunciando um longo Inverno em que a ausência - ou uma vazia presença - se faz notar indelevelmente. A primavera faz nascer consigo as primeiras esperanças, os indícios ténues de força, superação e resiliência em prol de um nascimento que se avizinha e que necessita de acontecer. Quando tudo se torna fluente e real, o Verão vem acrescentar a cor onde esta não se observava e aroma e paladar de quem tem orgulho, respeito e humildade pelos frutos que tanto custaram a despontar. Sendo as vindimas sinónimo de convívio, festa e alegria, cortar os cachos em conjunto torna-se assim absolutamente necessário pois a alegria faz mais sentido quando é partilhada. Um acondicionamento atento dessa conquista torna-a menos frágil a exposições posteriores e a extracção pura do que esta trouxe de melhor terá que ser firmemente escrutinada. Finalizando todo o processo, o vinho é engarrafado para consumo próprio ou de terceiros. Eu vivi intensamente todas as fases da minha vindima. Um dia acreditei que não tinha chão para uvas, noutro não valorizei o que elas me podiam dar, até que entendi que serei sempre o catalisador máximo das experiências e aprendizagens que realizo nas minhas videiras... A qualidade da uva será directamente proporcional ao empenho e trabalho que é colocado em todas as fases anteriores. Não sei, de facto, se hoje chegou Setembro. Sei que quero muito beber desse vinho e que quando o beber, não almejo um regozijo de sentidos, um deleite alcoolizado ou um florescer de emoções. Já vivo muito disso no vinho de outros. No meu, só ficarei satisfeita quando dele sentir apenas um sabor inqualificável de paz e evolução interior. Até lá, vou bebendo esses vinhos... enquanto aprimoro e espero o resultado do meu.

1 comentário: