segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Pós graduação em análise relacional


Existe uma ideia incorrecta que julgo perpetuar-se até nas mentes dos que se consideram mais incautos. A ideia atormentadora de ser um ermita solitário, que residindo nesse malfadado exílio, não cumpre os vincados objectivos que a sociedade dita e os sonhos utópicos que são produto desta. A sentida concepção surge muitas vezes no âmago de uma relação que se finaliza ou quando outra mais auspiciosa teima em não se iniciar. Ao invés da inquietação - e agora o que é eu tenho a aprender sozinho? - a questão reveste-se maioritariamente de - e agora porque é que  eu (ainda) estou sozinho. Daqui advém alguma relutância em ponderar o verbo presente no agir, como fruto de comportamento activo mesmo que isso signifique trabalhar espera e paciência, e dissociar do imparcial facto, que enverga apenas e tão só a existência do que é real. Vou-me remeter a algo que pode parecer ousado, irónico ou inédito: O amor acontece. O amor não pode ser alinhavado em acordos financeiros, em contratos temporais relacionados com a imposição da idade biológica, ou em muros quotidianos que cerram as convivências, perdão, as conveniências. O amor não dá jeito. Não pede para ser reparado. Quem procura para não estar só, mergulha na relação com a mesma carência interna com que a começou. Talvez a melhor estratégia para a viver, seja iniciá-la no preciso momento em que se está agradavelmente bem sozinho e não abusar de lupas, telescópios, óculos com graduação aumentada, anúncios de auto-publicitação ou falsa modéstia. Para atrair boa intenção, sejamos boa intenção. Para atrair gente que aprecie a companhia, apreciemos também a nossa própria. Para ser amor para alguém, pratiquemos igualmente esse amor com a pessoa que somos. Para atrair alguém que repare em nós, não queiramos ser reparados apenas quando nos esforçamos. Para ser um plano com alguém, não coloquemos ninguém à força num que já se concebeu anteriormente. Deixemos, deixemos tudo acontecer. Que inevitavelmente, o amor também acontecerá.

Sem comentários:

Enviar um comentário